Destino Dinamarca: Lua de mel

Na semana passada falamos sobre como criar uma lista de presentes de casamento com produtos originais, que saem do óbvio. Agora, convidamos vocês a buscarem um destino diferente para a sua lua de mel. A partir desta semana iniciaremos uma série de posts para que vocês possam conhecer os melhores lugares na Dinamarca para passar bons momentos em casal.

Começamos nossa série pensando nos casais que querem aproveitar a lua de mel para conhecer mais afundo a arquitetura e o design dinamarqueses. Venha visitar os excêntricos edifícios de Bjarke Ingels ou então o icônico quarto 606 no Radisson BLU Royal Hotel, todo assinado pelo designer Arne Jacobsen.

Selecionamos 10 must-see na região de Copenhague que os verdadeiros amantes de design e arquitetura não podem deixar de visitar.

 

  1. Museu Marítimo da Dinamarca (Museet for Søfart)

Com projeto assinado por Bjarke Ingels, a experiência no Museu Marítimo já começa antes mesmo de adentrá-lo, quando o visitante atravessa a ponte que leva ao museu subterrâneo. O espaço conta a história da Dinamarca, uma das principais nações marítimas do mundo. Veja mais informações aqui: www.msf.dk

Desde sua abertura, em outubro de 2013, o museu já recebeu diversos prêmios de arquitetura e design

 

  1. O Planeta Azul (Den Blå Planet)

Com uma arquitetura impressionante, o aquário é o maior da região nórdica. Saiba mais aqui: http://www.denblaaplanet.dk

Planeta Azul é todo cercado por água, para que o visitante tenha a sensação de estar realmente embaixo d’agua

 

Lá vocês podem ver diversos animais marinhos exóticos, como tubarões-martelo nadando com arraias e moreias no maior tanque que o aquário abriga, com 4 milhões de litros de água do mar

 

  1. Casa de Ópera de Copenhague

O projeto é do arquiteto dinamarquês Henning Larsen, mas diversos designers dinamarqueses contribuíram com a decoração, como por exemplo, Per Kirkeby e Olafur Eliasson. Site oficial: www.kglteater.dk

Totalizando 41.000 metros quadrados, o edifício possui 14 andares, dos quais 5 são subterrâneos

 

Uma curiosidade: o teto do auditório principal foi revestido com 105.000 folhas de ouro de 24 quilates, o equivalente a 1,5 kg de ouro

 

  1. Centro de Arquitetura Dinamarquês

O centro é o principal espaço de exposições relacionadas ao assunto no país. Diversas outras atividades são desenvolvidas, como workshops e debates. Dica: Para aqueles que estão em busca de um souvenir bacana, a lojinha abriga um enorme acervo de livros relacionados à arquitetura e design. Visite o site: www.dac.dk

O centro é ponto de partida de tours guiados para conhecer as obras arquitetônicas de Copenhague durante o verão.

 

O café oferece brunch e almoço, que vocês podem comer enquanto apreciam a vista da cidade e do porto

 

  1. Hotel Radisson BLU Royal (quartos 606 e 506)

O hotel atraiu muita atenção quando abriu em 1960, em grande parte porque o arquiteto Arne Jacobsen tinha sido responsável pela obra, desde o projeto do edifício até o último detalhe da decoração, inclusive os talheres do restaurante são assinados pelo artista.

O prédio, estrategicamente localizado no centro da cidade com vista para o parque Tivoli, foi o primeiro arranha-céu de Copenhague, o que na época chegou a causar certo furor pois muitos temiam que o hotel estragaria o visual da cidade.

Um dos quartos foi mantido exatamente como Jacobsen desenhou: o famoso quarto 606. A visita ao quarto proporciona uma verdadeira viagem no tempo.  Ainda hoje é possível hospedar-se neste quarto.

 

Foi para este projeto que o designer desenvolveu algumas de suas mais icônicas peças, como as poltronas Egg (à esq) e Swan (cisne) e a cadeira Drop (ao fundo), todas da Republic of Fritz Hansen.

 

Décadas depois, outro designer mundialmente famoso, Jaime Hayon, também em parceria com a Republic of Fritz Hansen, fez o projeto de outro quarto no mesmo hotel, o 506, tendo o anterior como modelo.  A versão do designer espanhol traz um toque de brilho, o que deixa o quarto ainda mais iluminado. Hayon foi o responsável por todos os detalhes do projeto, incluindo as luminárias e peças de arte. Também é possível hospedar-se neste quarto.

Lá encontramos o sofá Favn, a poltrona Ro e a cadeira Drop, além das duas versões da mesa de madeira Analog

 

  1. Montanha

O famoso projeto Montanha, localizado na região de Ørestad em Copenhague, foi desenvolvido pelos escritórios de arquitetura Bjarke Ingels Group, JDS e Plot.  As residências contam com uma vista espetacular da cidade e da costa. Até mesmo o estacionamento é um tanto peculiar, com paredes coloridas de 16 metros de altura e o elevador residencial move-se diagonalmente ao longo da parede interna do edifício.

 

São 80 unidades residenciais, todas com terraços e telhados verdes.

 

O prédio foi concluído em 2008, e logo depois foi premiado como o melhor edifício residencial no Festival Mundial de Arquitetura

 

  1. Número 8 (8 Tallet)

Na mesma região localiza-se o 8 Tallet, que também tem o projeto assinado pelo Bjarke Ingels Group. A ideia fundamental do projeto era proporcionar diversas áreas comuns, com muito espaço para os residentes divertirem-se em seu tempo livre. O projeto é composto por 476 unidades residenciais em 3 formatos: casas,  apartamentos e as coberturas que contam com  um jardim.

O projeto foi o vencedor da categoria Habitação no Festival Mundial de Arquitetura de 2011

 

Uma das propostas era que as crianças pudessem circular e brincar no pátio central com toda segurança.

 

  1. Diamante Negro (Den Sorte Diamant)

Este brilhante prédio (em ambos os sentidos) é todo espelhado, refletindo o mar e o céu. Uma pintura de Per Kirkeby de 200 metros quadrados enfeita o teto do edifício. Além de ser uma biblioteca, o prédio abriga ainda o Museu Nacional de Fotografia, uma livraria, um café, um restaurante e uma sala de teatro com capacidade para 600 pessoas. Saiba mais aqui: http://www.kb.dk

O átrio conecta a cidade ao mar.

 

A fachada de vidro cria uma grande incisão que divide o edifício em duas partes e dá luz ao átrio interior.

 

  1. A casa do arquiteto e designer Finn Juhl

Finn Juhl é um dos maiores nomes da arquitetura e design dinamarqueses e desde 2008 sua casa faz parte do Museu Ordrupgaard, sendo aberta ao público. O projeto foi todo desenvolvido por ele, desde a construção em si até o mobiliário, evidenciando seu caráter multifacetado.  Visite o site oficial aqui: http://ordrupgaard.dk/en/visiting/

A combinação das cores e o jogo de luzes (em especial a luz natural) com as peças de design por ele desenhadas fazem desta visita uma experiência única

 

  1. Museu de Arte Moderna ARKEN

Localizado a apenas 20 km ao sul de Copenhague, ARKEN é o mais novo museu de arte moderna da Dinamarca. Lá os visitantes podem apreciar o melhor da arte e arquitetura mundiais. A exposição permanente contém arte dinamarquesa, nórdica e internacional dos anos 1990 em diante. Acesse o site: www.arken.dk/

O museu exibe exposições variadas, desde jovens talentos até grandes nomes modernistas

 

Fotos extraídas do site: www.visitdenmark.com

Facebook0
Pinterest0

Tags